Veja como implementar inovação aberta no trabalho

A competitividade no mercado faz com que a grande maioria das empresas opte por fazer tudo sozinha, de forma que consiga ter méritos e destacar-se das demais. No entanto, um novo conceito tem ganhado espaço, trazendo resultados positivos, como a diminuição de custos e o aumento da eficiência. Estamos falando sobre inovação aberta — ou open innovation, em inglês.

Já ficou no passado a mentalidade de reter conhecimentos. Dessa maneira, a cocriação e as iniciativas em conjunto com outras empresas, instituições e indivíduos mostram-se muito positivas. Com a cooperação mútua, os profissionais conseguem compartilhar conhecimentos e contribuem para que os objetivos estratégicos sejam alcançados.

Assim, há um aumento no valor das marcas no mercado e a retenção de novos talentos. Para entender mais sobre inovação aberta, veja a seguir dicas de como implementar essa tecnologia com eficiência!

Crie equipes mistas

A inovação aberta tem como intuito proporcionar fluxos de conhecimentos, que sejam tanto interno quanto externos. Desse modo, a criação de equipes mistas é o ideal para que esse intuito seja alcançado. Afinal, de que adiantaria unir-se a parceiros se você utilizasse apenas seus colaboradores para o trabalho?

Nesse sentido, a inovação aberta aposta na união entre talentos internos e externos, formando times com competências e habilidades que desenvolvam e executem grandes projetos em conjunto. Apesar de reconhecer os talentos presentes na sua equipe, eles serão potencializados pela criatividade e inovação presentes em equipes de outras empresas.

Ao reconhecer que a sua organização não sabe de tudo, será mais fácil trilhar esse caminho e iniciar a troca de experiências com especialistas de outras instituições. Esse é o principal propósito da inovação aberta, principalmente quando se está diante de projetos de alta complexidade e que gerarão grandes impactos.

Aposte em eventos

Não há lugar melhor para conversar olhando nos olhos e encontrar novas parcerias do que em eventos. Mesmo que a internet seja um meio para realizar e ter conversas construtivas, nada substitui os encontros pessoas e a energia de um aperto de mãos. Além disso, essa é uma alternativa para incentivar e promover a inovação aberta de maneira mais barata e pontual.

No entanto, isso não significa que os eventos não sejam eficientes. Há possibilidades como congressos e hackathons, em que empresas conseguem conectar-se para criar ideias inovadoras. Dessa forma, surgem conexões que podem ser muito vantajosas e benéficas, gerando resultados como diminuição de custos, desenvolvimento de novas soluções e troca de conhecimentos.

Invista em crowdsourcing

Já imaginou ter um “dream team” para que você coloque em prática determinado projeto? Pois o crowdsourcing visa justamente a fazer com que uma grande diversidade de pessoas capacitadas possam comunicar-se e buscar por soluções criativas. Podem ser especialistas, funcionários públicos, estudantes ou outros profissionais que contribuam para otimizar tanto no desenvolvimento quanto na implementação de um produto ou serviço.

O crowdsourcing funciona como uma espécie de concurso, em que as normas dependem da organização. É muito comum ver startups em busca de parcerias para colocar em prática seus protótipos. Desse modo, há um processo criativo colaborativo, em que as pessoas buscam uma solução em conjunto para obter ideias e conteúdos.

Assim, pessoas de diversas empresas e segmentos reúnem-se para encontrar soluções inovadoras. O trabalho em grupo é fundamental para evitar que as ideias se percam, além de que um insight pode complementar o outro para aperfeiçoar o que está sendo feito.

Implemente um projeto de cocriação

Investir em projetos de cocriação é uma abertura para dialogar com profissionais externos e trabalhar em conjunto. No entanto, ele se diferencia do crowdsourcing no sentido de que a própria empresa ainda terá destaque na criação. Nesse contexto, as pessoas que são de fora da instituição ajudarão, mas não terão a sua parte, nem serão “donas” do projeto como ocorre no crowdsourcing, em que todos têm partes iguais.

Mesmo com essa distinção, a construção do projeto acontece como em outros casos, em que a criação de soluções é compartilhada. Dessa maneira, os colaboradores têm acesso às mesmas informações e aos mesmos dados sobre o projeto em que estão inseridos, bem como os recursos para a produção. Na cocriação, todos conhecem as vantagens e os iscos do projeto, com transparência e ética no andamento dos processos.

A cocriação também é reconhecida por ser um trabalho em que qualquer um pode participar. Não é incomum encontrar promoções e chamadas de marcas para fazer um trabalho colaborativo, em que profissionais externos, clientes e até mesmo fãs possam contribuir no desenvolvimento de um produto ou serviço. Assim, a inovação aberta torna-se um excelente meio para fazer networking e aproveitar talentos que estariam “escondidos”.

Participe de hackathons

A inovação aberta conta com eventos que são como maratonas, durando dias em que os participantes podem passar à procura de soluções para o desafio proposto pela empresa. Assim, eles são chamados de hackathons, que misturam a palavra “hack” (do sentido de “hackear”, ou programar muito bem”) e “marathon” (maratona, em inglês).

Portanto, a ideia por trás do hackathon é ter dias de programação que estimulam a criatividade e inovação das equipes em busca da resolução de problemas vivenciados pela empresa. Desse modo, são reunidos programadores, designers, desenvolvedores e mais uma série de outros profissionais que trabalham com tecnologia. Os grupos multidisciplinares conseguem trabalhar em novas ideias, pensando “fora da caixa”.

Essa é uma espécie de competição de open innovation adotada por diversas companhias, entre elas as gigantes Google e Facebook. O trabalho colaborativo que mescla diferentes ideias tende a criar resultados inovadores, que é justamente o intuito desse tipo de projeto. Ao final, geralmente é oferecido um prêmio para o time que teve a melhor ideia, em que a solução seja mais rápida, prática e com baixo custo.

Um ponto essencial que se deve ter atenção é a diferença entre inovação aberta e fechada. A primeira, como foi descrita no decorrer do post, recebe a contribuição de pessoas de fora da empresa, enquanto a segunda conta apenas com profissionais de dentro da organização. Ambas apresentam seus benefícios, e é preciso considerar cada projeto para escolher a melhor alternativa entre as duas.

Achou interessante aprender sobre inovação aberta? Deixe seu comentário sobre o assunto e vamos conversar!

Comente no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

pt_BRPortuguese
pt_BRPortuguese